Card #56 – “Grande fêmea de um suíno, Seguindo frágil leitoa, Rogava: “Não maltratem minha Filha, que é tão boa…”

A CEIA ECOLÓGICA. Pelo espírito Cornélio Pires:

“Conversas sobre conversas

Por trás de assunto sem lógica

Disse-me Ilídio: “Amanhã

Vamos à ceia ecológica.

Você seguirá comigo?”

Pronto, assumi a promessa.

Ilídio é um bom amigo,

Mas que ceia será essa?

“Não deve seguir sozinho,”

Prosseguiu ele,

“Antes da ceia em caminho.”

No outro dia despertei

De ouvidos fenomenais

Estava escutando as pedras,

As plantas e os animais.

Ilídio veio buscar-me

E, no carro em que seguia,

Notei que outro era o rumo

Além da periferia.

Desdobrando-se o caminho,

Vimos nós um casarão…

O amigo esclareceu:

“É a casa do tio Adão.”

Avançamos e nos vimos

Em meio de algumas roças

E notamos o barulho

De peões, carros, carroças…

Ilídio parou o carro e descemos,

Era um desfile esperado,

Animais vinham chegando

Seguindo por nosso lado.

Na frente vinha um cabrito

Gritando: “Morra o churrasco!…

Não desejo festa alguma,

Não quero ver o carrasco!…”

Num caminhão certa vaca

Mascava feno em restolho.

Dizia ao boi que a seguia:

“Meu velho, fique de olho!”

Ao lado vinham dois perus,

Um deles fala: “É demais”

E o outro: “Eu também bebi,

Da cachaça do Moraes”.

Num caminhão, a galinha,

Cercada de frangos novos,

Prosava para a festança…

“Já dei os meus belos ovos.”

Grande fêmea de um suíno,

Seguindo frágil leitoa,

Rogava: “Não maltratem minha

Filha, que é tão boa…”

Dois coelhos numa gaiola

Cochichavam entre si:

“Não fosse a corda no pé,

Sairíamos daqui.”

Num planalto assaz pequeno

O aroma de um cajueiro;

Lá longe ia a parada

Dominando o espaço inteiro.

No pátio, o chefão chegou

E passou a esfaquear,

A turma toda apavorada

Pôs-se a gemer e a gritar.

Vendo o sangue, emocionei-me;

Não podia ver aquilo,

Queria voltar à casa,

A fim de ficar tranquilo.

Fui a Ilídio e, com franqueza,

Não podia suportar,

Aquela cena de dor,

Queria a paz do meu lar.

Ilídio riu-se e falou:

“Cornélio, nunca supus

Que você fuja de festa

Para as obras de Jesus.”

E então, desorientado,

Fiquei sabendo, afinal,

Que a ceia da ecologia

Era a festa do Natal.”

XAVIER, F. C.; Espíritos diversos. Saudação do natal. Capítulo “A ceia ecológica” (Espírito Cornélio Pires):

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *