Card #64 – Dia mundial do meio ambiente

Relembra-nos a Espiritualidade, em O Livro dos Espíritos, que a Natureza jamais é imprevidente, somos nós que não sabemos nos regular, nem nos contentar [1]. Daí os desequilíbrios que estão agitando o Planeta, nas formas da doença pandêmica, da fome arrasadora, dos eventos climáticos extremos, das perdas irreparáveis de tantas vidas humanas e não humanas.
.
Atribuímos a isso o nome de “transição planetária”, quando nos bastaria conhecer o limite do necessário para que não nos pesasse tanto o custo das experiências árduas [2]. Mas, como seres insaciáveis, insistimos na manutenção da “normalidade”, conservando os vícios que nos desorganizam a constituição física e nos criam “necessidades artificiais” [3].
.
Nesta data, que a Humanidade reservou para se lembrar das próprias origens, deixamos para Aniceto, Instrutor do Espírito André Luiz, a reflexão inadiável:

“Há milênios a Natureza espera a compreensão dos homens. Não se tem alimentado tão somente de esperança, mas vive em ardente expectação, aguardando o entendimento e o auxílio dos Espíritos encarnados na Terra, mais propriamente considerados filhos de Deus.
.
Entretanto, as forças naturais continuam sofrendo a opressão de todas as vaidades humanas. Isso, porém, ocorre, meus amigos, porque também o Senhor tem esperança na libertação dos seres escravizados na crosta, para que se verifique igualmente a liberdade na glória do homem.
.
Conheço-vos de perto os sacrifícios, abnegados trabalhadores espirituais do solo terrestre! Muitos de vós aqui permaneceis, como em múltiplas regiões do planeta, ajudando a companheiros encarnados, acorrentados às ilusões da ganância de ordem material. Quantas vezes vosso auxílio é convertido em baixas explorações no campo dos negócios terrestres? A maioria dos cultivadores da terra tudo exige sem nada oferecer.
.
Enquanto zelais, cuidadosamente, pela manutenção das bases da vida, tendes visto a civilização funcionando qual vigorosa máquina de triturar, convertendo-se os homens, nossos irmãos, em pequenos Moloques* de pão, carne e vinho, absolutamente mergulhados na viciação dos sentimentos e nos excessos da alimentação, despreocupados do imenso débito para com a Natureza amorável e generosa.
.
Eles oprimem as criaturas inferiores, ferem as forças benfeitoras da vida, são ingratos para com as fontes do bem, atendem às indústrias ruralistas, mais pela vaidade e ambição de ganhar […].
.
Auxiliemo-lo [o ser humano] a compreender, para que se organize uma era nova. Auxiliemo-lo a amar a terra, antes de explorá-la no sentido inferior, a valer-se da cooperação dos animais, sem os recursos do extermínio!
.
Nessa época, o matadouro será convertido em local de cooperação, onde o homem atenderá aos seres inferiores e onde estes atenderão às necessidades do homem […].
.
Observamos com o Evangelho que a criação aguarda ansiosamente a manifestação dos (considerados) filhos de Deus encarnados!
.
Concordamos que as criaturas inferiores têm suportado o peso de iniquidades imensas!
.
Continuemos em auxílio delas, mas não nos percamos em vãs contendas. Os homens esperam também a nossa manifestação espiritual! Desse modo, ajudemos a todos, no capítulo do grande entendimento”. [4]

Referências:

*Moloque – deus da antiguidade cujo ritual de adoração constituía em atos sexuais e no sacrifício de crianças queimadas vivas. [Wikipedia]
.
[1] KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. FEB (site). Capítulo V. Questão 705.
.
[2] Idem. Questão 715.
.
[3] Idem. Questão 716.
.
[4] XAVIER, F. C.; ANDRÉ LUIZ (Espírito). Os Mensageiros. 47 ed. 6 imp. Brasília: FEB, 2016. 326 p. Capítulo 42 “Evangelho no ambiente rural”, pp. 255-259.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *